"Ninguém é tão ignorante que não tenha algo a ensinar. Ninguém é tão sábio que não tenha algo a aprender." Pascal

12
Abr 13

Descobri ontem esta carta, que está a tornar-se viral na internet (apesar de não ser essa a intenção do autor).

Trata-se da carta de demissão de um professor, dando-se conta de que não é ele quem abandona a profissão, mas a profissão que o abandonou a ele, no sentido em que já não existe como tal. "After writing all of this I realize that I am not leaving my profession, in truth, it has left me. It no longer exists."

 

Jerry Conty foi (eu acho que continua a ser) professor de história. Viveu na pele o fenómeno da tentativa de estandardização  (padronização, uniformização), que nos Estados Unidos aconteceu mais cedo do que por cá. E a sua carta de demissão é uma reação a esse modelo e forma de ver a educação. Para quem acredita na educação, e vive por dentro esta ideia do ser educador, a descrição que ele faz do que é, no seu entender e experiência, ser professor, é deliciosa (ver parágrafo 3). “Education is not preparation for life, education is life itself.”

 

Por cá, ainda estamos a cavalgar a onda do one-size-fits-all. A onda ainda está a crescer. Noutros países, parece que já estão em processo de ajustamento. Talvez fosse tempo de aproveitar as lições da história. (ler os parágrafos 4 e 5) De ver o que outros já estão a perceber.

 

Mais do que as minhas palavras, deixo-vos a carta (no original, em inglês).

Antes disso, contudo, deixo uma entrevista com o autor da carta.

Gerald J. Conti
4375 South Onondaga Road
Nedrow, New York 13120
February 7, 2012

Mr. Casey Barduhn, Superintendent
Westhill Central School District
400 Walberta Park Road
Syracuse, New York 13219

Dear Mr. Barduhn and Board of Education Members:

It is with the deepest regret that I must retire at the close of this school year, ending my more than twenty-seven years of service at Westhill on June 30, under the provisions of the 2012-15 contract. I assume that I will be eligible for any local or state incentives that may be offered prior to my date of actual retirement and I trust that I may return to the high school at some point as a substitute teacher.

As with Lincoln and Springfield, I have grown from a young to an old man here; my brother died while we were both employed here; my daughter was educated here, and I have been touched by and hope that I have touched hundreds of lives in my time here. I know that I have been fortunate to work with a small core of some of the finest students and educators on the planet.

I came to teaching forty years ago this month and have been lucky enough to work at a small liberal arts college, a major university and this superior secondary school. To me, history has been so very much more than a mere job, it has truly been my life, always driving my travel, guiding all of my reading and even dictating my television and movie viewing. Rarely have I engaged in any of these activities without an eye to my classroom and what I might employ in a lesson, a lecture or a presentation. With regard to my profession, I have truly attempted to live John Dewey’s famous quotation (now likely cliché with me, I’ve used it so very often) that “Education is not preparation for life, education is life itself.” This type of total immersion is what I have always referred to as teaching “heavy,” working hard, spending time, researching, attending to details and never feeling satisfied that I knew enough on any topic. I now find that this approach to my profession is not only devalued, but denigrated and perhaps, in some quarters despised. STEM rules the day and “data driven” education seeks only conformity, standardization, testing and a zombie-like adherence to the shallow and generic Common Core, along with a lockstep of oversimplified so-called Essential Learnings. Creativity, academic freedom, teacher autonomy, experimentation and innovation are being stifled in a misguided effort to fix what is not broken in our system of public education and particularly not at Westhill.

A long train of failures has brought us to this unfortunate pass. In their pursuit of Federal tax dollars, our legislators have failed us by selling children out to private industries such as Pearson Education. The New York State United Teachers union has let down its membership by failing to mount a much more effective and vigorous campaign against this same costly and dangerous debacle. Finally, it is with sad reluctance that I say our  own administration has been both uncommunicative and unresponsive to the concerns and needs of our staff and students by establishing testing and evaluation systems that are Byzantine at best and at worst, draconian. This situation has been exacerbated by other actions of the administration, in either refusing to call open forum meetings to discuss these pressing issues, or by so constraining the time limits of such meetings that little more than a conveying of information could take place. This lack of leadership at every level has only served to produce confusion, a loss of confidence and a dramatic and rapid decaying of morale. The repercussions of these ill-conceived policies will be telling and shall resound to the detriment of education for years to come. The analogy that this process is like building the airplane while we are flying would strike terror in the heart of anyone should it be applied to an actual airplane flight, a medical procedure, or even a home repair. Why should it be acceptable in our careers and in the education of our children?


My profession is being demeaned by a pervasive atmosphere of distrust, dictating that teachers cannot be permitted to develop and administer their own quizzes and tests (now titled as generic “assessments”) or grade their own students’ examinations. The development of plans, choice of lessons and the materials to be employed are increasingly expected to be common to all teachers in a given subject. This approach not only strangles creativity, it smothers the development of critical thinking in our students and assumes a one-size-fits-all mentality more appropriate to the assembly line than to the classroom. Teacher planning time has also now been so greatly eroded by a constant need to “prove up” our worth to the tyranny of APPR (through the submission of plans, materials and “artifacts” from our teaching) that there is little time for us to carefully critique student work, engage in informal intellectual discussions with our students and colleagues, or conduct research and seek personal improvement through independent study. We have become increasingly evaluation and not knowledge driven. Process has become our most important product, to twist a phrase from corporate America, which seems doubly appropriate to this case.

After writing all of this I realize that I am not leaving my profession, in truth, it has left me. It no longer exists. I feel as though I have played some game halfway through its fourth quarter, a timeout has been called, my teammates’ hands have all been tied, the goal posts moved, all previously scored points and honors expunged and all of the rules altered.

For the last decade or so, I have had two signs hanging above the blackboard at the front of my classroom, they read, “Words Matter” and “Ideas Matter”. While I still believe these simple statements to be true, I don’t feel that those currently driving public education have any inkling of what they mean.

Sincerely and with regret,

Gerald J. Conti
Social Studies Department Leader
Cc: Doreen Bronchetti, Lee Roscoe

 

publicado por Ricardo Antunes às 15:40

08
Jan 11

Depois de 20 anos, a americana Diane Ravitch, criadora do método da meritocracia, testes padronizados, metas, responsabilização do professor pelo desempenho do aluno, diz-se arrependida e que o método NÃO FUNCIONOU...

 

Leiam a entrevista toda e pensem um pouco.. Ring a Bell???

 

Foi esta senhora que começou a idealizar as Metas...

Mas agora, diz que...

"Para ter uma boa educação, precisamos saber o que é uma boa educação. E é muito mais que saber fazer uma prova. Precisamos nos preocupar com as necessidades dos estudantes, para que eles aproveitem a educação."

Evidente, não? E de repente lembro-me do José Pacheco... O vídeo é todo delicioso, mas  vejam com atenção o que ele diz sobre as Provas de Avaliação (a partir do 1:38)


publicado por Ricardo Antunes às 11:16

30
Jul 10

Leitura dos próximos dias:

 

"proclamam acaso os professores que se aprenda e fixe o que eles pensam, e não as doutrinas mesmas, que eles julgam comunicar falando? Pois quem será tão estultamente curioso que mande o seu filho à escola, para que ele aprenda o que o professor pensa? Ora depois de terem explicado por palavras todas essas doutrinas, que declaram ensinar, incluindo a da virtude e da sapiência, então aqueles que são chamados discípulos, consideram consigo mesmos se se disseram coisas verdadeiras, e fazem-no contemplando, na medida das próprias forças, aquela Verdade interior de que falámos. É então que aprendem"

Tradução de António Soares Pinheiro
Introdução e comentários de Maria Leonor Xavier

 

 

Introdução

O autor, a obra e o texto   
A filosofia de O Mestre
1. A ordem da linguagem
1.1. A regra da nominação
1.2. A regra da comunicação
2. Linguagem e conhecimento
2.1. Palavra e conhecimento da realidade

2.2. Discurso e conhecimento da verdade

2.3. Conhecimento por ostensão

2.4. Ostensão e admonição: Mestre interior e mestre exterior
Sto. Agostinho

 

O Mestre [Parte I]    [A palavra e os sinais]

Cap. I [Ensinar e rememorar]

Cap. II [O significado das palavras]

Cap.III [Palavra e realidade]

Cap.IV [Sinais de sinais]

Cap. V [Sinais recíprocos]

Cap.VI [Ossinónimos]

Cap. VII [Resumo do que se expôs]

[Parte II]    [Os sinais, a realidade e o Mestre]

Cap.VIII [Sinais e realidades]

Cap. IX [Primazia das realidades]

Cap. X [Realidades conhecidas sem sinal]

Cap. XI [Vacuidade das palavras]

Cap. XII [Palavra, sensação e intelecção]

Cap.XIII [Deficiências da palavra]

Cap.XIV[ O Mestre e a consciência]

 

Anexos

Notas de Comentário

publicado por Ricardo Antunes às 22:23

15
Jul 10

"Não penso que seja necessária uma catástrofe natural, mas penso que é necessária uma mudança radical"

Aqui está a prova de que vale a pena acreditar na mudança.
Assistam a 10 minutos de querer e vontade de fazer melhor!
E depois pensem um pouco se a escolha livre, de que se fala no final, não vos parece ter vantagens que devem, no mínimo, ser discutidas.

publicado por Ricardo Antunes às 22:58

10
Jul 10

Texto muito bom a ser lido e relido. Aqui.

 

 

O fracasso do ensino começa quando o professor não acredita que seus alunos possam aprender.

 

Aqui, deixo apenas as dicas, mas a reflexão não pode ser deixada de lado.

As aulas dos campeões

Algumas técnicas dos melhores professores observadas pelo educador Doug Lemov

 

É certo só se estiver 100% certo
• Continuar perguntando a mesma coisa para o aluno até que ele dê uma resposta 100% certa. O que acaba acontecendo na maioria das classes é algo parecido com o descrito neste diálogo:
– Como era a convivência entre as famílias de Romeu e Julieta? – pergunta a professora.
– Eles não se gostavam – responde um aluno.
– Certo. Eles não se gostavam e disputavam terras havia anos, acrescenta a professora, que ainda dá parabéns ao aluno pela resposta que ele não deu.
Ao não apontar para o aluno que a resposta dele poderia ser mais completa, a professora passa a mensagem de que ele pode estar certo até quando não está – e, obviamente, isso não vai funcionar em uma prova ou no vestibular. A dica é ter paciência e insistir na pergunta, até chegar ao 100% certo. Um excelente professor sairia assim dessa situação: “Foi um bom começo, mas dizer apenas que eles não se gostavam realmente revela qual era a relação entre as famílias?”. Dessa forma, ele deixa claro que não aceita nada menos do que uma resposta completamente correta, sem deixar de demonstrar confiança na capacidade de seus alunos.

 


Olho no professor
• Os alunos não podem anotar nada enquanto o professor explica a matéria. Todos os olhos devem estar voltados para ele. Isso é mais eficiente para controlar quem está prestando atenção do que repetir 1 milhão de vezes “prestem atenção agora, isso é importante”. Pelo simples fato de que o professor enxerga os olhos dos alunos. Ou se as canetas estão descansando sobre a carteira. Um dos maiores problemas enfrentados no dia a dia por professores é que nem todos os alunos seguem suas orientações. Podem ser orientações de como executar um exercício. Os que ficam para trás estão deixando de aprender e ainda podem tumultuar a aula. Para os bons professores, só há uma porcentagem aceitável de alunos que obedece ao que foi pedido: 100%. Menos que isso, o desempenho da classe toda estará comprometido.

 

O lado positivo da bronca
• Usar frases positivas na hora de chamar a atenção do aluno. Faz uma tremenda diferença dizer “por favor, eu preciso que você olhe para a frente”, em vez de “não olhe para trás”. Pessoas se motivam muito mais por fatores positivos do que negativos. No geral, elas agem para buscar o sucesso, e não para evitar fracassos. A técnica do enquadramento positivo pode ser aplicada durante a aula ou em uma conversa reservada com o aluno. Se outros estudantes assistem ao diálogo entre o professor e o aluno que está sendo repreendido, o ideal é sempre assumir, a princípio, que o mau comportamento não é intencional. É mais produtivo dizer algo como “classe, só um minuto, parece que alguns se esqueceram de empurrar suas cadeiras”, do que “classe, só um minuto, alguns decidiram não empurrar suas cadeiras como eu pedi”. Isso ajuda o professor a ganhar a confiança do aluno, o que é fundamental para o aprendizado.

 


Circulação pela sala
• Enquanto explica a matéria ou como resolver um exercício, o professor circula pela sala. Ao quebrar a barreira imaginária que existe entre ele e os alunos, demonstra proximidade. Durante a caminhada, aproveita para fazer perguntas individuais, corrigir ou elogiar um caderno. Circular pela sala é ainda uma boa oportunidade para descobrir o que acontece quando o professor está virado de costas para a turma, ao flagrar um álbum de figurinhas aberto ou um celular ligado.

 


Para fisgar o aluno
• Apresentar um novo tópico da matéria de um jeito diferente. Esse é o primeiro passo para aprender aquela lição. Para fisgar os alunos, a técnica é usar iscas como uma história, trechos de um filme ou um pequeno desafio. Por exemplo: antes de ensinar o conceito de frase completa, uma professora pede aos alunos que formem uma frase com cinco palavras dadas por ela. Depois de poucos minutos, eles percebem que é impossível executar a tarefa – porque não havia entre as palavras o sujeito da frase. A surpresa do problema sem solução manteve os alunos atentos o resto da aula.

 

Não vale não tentar
• Não aceitar “não sei” como resposta e conduzir o aluno à resposta certa – ou à melhor possível – é uma das técnicas mais simples para motivar o aluno a aprender. Uma professora pergunta a um aluno qual o sujeito da frase “minha mãe não estava contente”, ele diz que não sabe. Então, ela se volta para a turma e pergunta qual a definição de sujeito. Depois de ouvir que o sujeito é quem pratica a ação, ela volta para o primeiro aluno e repete a pergunta inicial. Ele então consegue responder: a mãe. A cultura do “não sei” é nociva principalmente porque passa a impressão de que alguns alunos não são capazes de aprender. Manter a expectativa alta em relação ao aluno é fundamental para seu sucesso.

 


A hora certa de elogiar
• O elogio só deve vir quando o aluno fizer mais do que lhe foi pedido. Os professores excelentes fazem uma distinção precisa entre o que o aluno aprendeu dentro das expectativas e quanto ele as superou. Se um aluno cumpre uma tarefa corriqueira, como manter sua carteira limpa, o professor pode dizer “obrigado por fazer o que eu pedi”, em vez de “excelente trabalho!”. A banalização do elogio tem um efeito destrutivo no longo prazo. O elogio por atitudes banais acaba minando a confiança do aluno de que ele possa fazer algo extraordinário.

 

O jeito certo de fazer perguntas

• Em vez de fazer uma pergunta para toda a classe responder ou chamar apenas os alunos que levantaram a mão, escolher quem vai dar a resposta, chamando o aluno pelo nome ou apenas apontando para ele. Essa técnica não só permite que o professor cheque o que cada aluno aprendeu, como também é uma forma de mantê-los atentos – afinal, a qualquer momento, alguém pode ser chamado para responder a alguma coisa. Se esse tipo de atividade acontecer todos os dias, os alunos passarão a esperar por isso e, no médio prazo, mudarão seu comportamento. Muitos professores acham que chamar um aluno para responder a uma pergunta é “expô-lo” ao resto da turma. Mas, se a técnica for feita da maneira correta, é o jeito mais eficiente de ouvir aqueles alunos que gostariam de responder, mas hesitam em levantar a mão.
Não deixe de ler o texto completo aqui.
publicado por Ricardo Antunes às 23:43

05
Jul 10

imagem daqui

 


"...ligamo-nos aos nossos semelhantes menos pelo reconhecimento dos seus prazeres que pelo reconhecimento das suas penas; pois vemos melhor, por aí, a identidade da nossa natureza e a garantia da sua ligação connosco. Se as nossas comuns necessidades nos unem pelo interesse, as nossas misérias comuns unem-nos pela afeição.O aspecto de um homem feliz inspira aos outros menos amor que inveja; acusá-lo-emos de usurpar um direito que não tem ao tomar para si a exclusividade da felicidade; e o amor-próprio sofre ainda porque nos faz sentir que não precisa de nós para nada. Mas quem é que não se compadece do infeliz que vê sofrer? Quem não desejaria libertá-lo dos seus males se o custo não fosse demasiado alto? A imaginação coloca-nos melhor no lugar do miserável do que no do homem feliz. A piedade é doce, porque ao colocarmo-nos no lugar daquele que sofre experimentamos o prazer de não sentir como ele. A Inveja,é amarga na medida em que o aspecto do homem feliz, longe de suscitar ao invejoso colocar-se no seu lugar, dá-lhe, pelo contrário,o remorso de não o poder fazer. Parece que um nos isenta dos males que sofre e o outro nos afasta dos bens que usufrui.


Se quereis excitar e alimentar no coração de um homem jovem os primeiros movimentos da sensibilidade, e formar o seu carácter para o bem agir e a bondade; não tenteis fazer germinar nele o orgulho, a vaidade, a inveja, através da imagem enganadora da felicidade dos homens; não exponhais logo aos seus olhos a pompa da corte, o fausto dos palácios, a atracção dos espectáculos; não o passeies pelos circuitos, nas brilhantes asembleias, não lhe mostreis o exterior da grande sociedade que depois poderá vir a  apreciar em si mesma. Mostrar-lhe o mundo antes que conheça os homens, não é formá-lo, é corrompê-lo; não é instruí-lo, é enganá-lo.


Os homens não são naturalmente nem reis, nem grandes, nem cortesãos, nem ricos; todos nascem nus e pobres, todos sujeitos às misérias da vida, aos desgostos, aos males, às necessidades, às dores de toda a espécie; enfim, todos estão condenados à morte. Aqui está o que é verdadeiramente o homem; aqui está aquilo a que nenhum mortal pode escapar. Comecem então por estudar a natureza humana, no que lhe é inseparável, no que constitui o melhor da humanidade."

 

Jean Jacqes Rousseau, L' Émile, Flammarion,1966, Paris, p. 287

Tradução de Helena Serrão

 

Roubado do Logosfera

 

publicado por Ricardo Antunes às 23:38

15
Jun 10

Deixo-vos hoje uma entrevista ao Mestre Agostinho da Silva.

 


“Hoje, a maior parte dos desgraçados dos alunos têm de aguentar professores a quem não pediram coisa nenhuma.”

 

"Vivemos numa guerra constante de competição e aos alunos ensinam coisas desnecessárias. O futuro é promissor na justa medida em que as máquinas vão substituir o trabalho manual, havendo assim tempo para o ócio e o lazer. Toda a gente nasce poeta e uma das formas de criação e poesia é a vadiagem. Temos assim uma cultura de criação de arte, poetas à solta no seu lazer. Mas é preciso saber ser vadio. Arte, Criação, porque o homem não nasceu para trabalhar, mas para criar. É o tal poeta à solta. Temos que enfrentar esta guerra com a política dos três SSS. A saber: Sustento, Saber e Saúde"

 

Fica em duas partes e, lamentavelmente, não consegui encontrá-la com melhor qualidade (há desfasamento entre a imagem e o som).

Mas vale a pena. É a primeira da série "Conversas Vadias". Conduz a entrevista Maria Elisa.

 

 

 

 

publicado por Ricardo Antunes às 23:13

11
Jun 10

Vamos lá ver se consigo dar aqui um salto hoje à noite.

Promete ser um momento rico de partilha e prazer.

 

A Biblioteca da E.B. 1 Viseu nº 1 - Ribeira tem procurado desenvolver um conjunto de actividades que estimulam o gosto pela leitura e as literacias, no sentido de formar futuros cidadãos críticos, em colaboração com o trabalho desenvolvido pelos docentes.
Nesta sequência, o Projecto «Biblioteca fora d’Horas» terá lugar na sexta-feira, dia 11 de Junho, pelas 20:30, no espaço exterior da Escola e vem coroar os esforços desenvolvidos ao longo do ano, porque nasce de vivências multifacetadas de leitura, que se oferecem à Comunidade Educativa, com especial atenção dispensada aos encarregados de educação, que poderão desfrutar de uma vintena de espectáculos encenados pelos alunos, em torno de experiências diversas de leitura. Enquanto isto, o espaço central do palco será rodeado de um número considerável de outras actividades, de acordo com a oferta de cada stand, num total de sete eventos, a saber, a feira do livro usado, os jogos educativos manipuláveis, a banca dos jornais, a confecção de marcadores de leituras, a oficina de pintura, o roteiro turístico e finalmente, no sétimo stand, a zona multimédia.
Outro centro de atracção deste serão de leitura tão singular será desenvolvido dentro de uma tenda medieval, na qual se pode tomar um chá enquanto se degusta um conto narrado por personagens que desejam transportar a audiência para tempos remotos de outrora e trazê-la de regresso aos contos da actualidade, enquanto o ambiente se deixa embalar por melodias propícias a cada atmosfera. Recuando ainda mais no tempo, os visitantes poderão apreciar dois dinossauros de grande porte que estarão expostos no recinto, sendo dado algum esclarecimento por uma arqueóloga convidada para o efeito.
Esta actividade conta com o apoio da Câmara Municipal de Viseu, a Expovis, o Diário Regional de Viseu, o Jornal do Centro, a Região de Turismo do Centro de Portugal, a Naturtejo, Continente de Viseu e o Olho Turista, Lda.

 

Ver aqui.

publicado por Ricardo Antunes às 15:15

03
Jun 10

Actualização:

 

Do Profblog:

Fui colega da ministra da educação num mestrado em educação. Passaram 25 anos. Tivemos os mesmos professores e lemos os mesmos livros e papers. Toda a literatura da época sobre as escolas eficazes apontava no mesmo sentido: defesa das escolas de pequena e média dimensão, com lideranças democráticas fortes, onde todos se conhecem, onde os directores tratam os professores pelos nomes e os professores chamam os alunos pelos nomes.

 

Será assim tão dificil de perceber?

________________________________________________

A senhora ministra falou.

Continua muita coisa por explicar.

Continuam generalizações sobre generalizações.

Continua a ver-se o país a partir de Lisboa.

E parece que continuamos a não ser capazes de pensar seriamente sobre o assunto...

 

Salvou-se a prestação do José Rodrigues dos Santos. Aqui ou ali um pouco exagerada, mas sempre clara e procurando arrancar algo concreto a um discurso propositadamente generalista, quase dogmático, estéril e vago.

 

Para ver, clique na imagem e avance no vídeo até ao minuto 2:21.

Como já fui afirmando antes, estou de acordo com a lógica de encerramento. Não consigo é perceber por que razão não estão todos os membros da comunidade escolar envolvidos num projecto tão profundo processo de reformulação. E não é só dos encerramentos que devíamos estar a falar.

 

Devíamos estar a falar dos novos Centros Escolares. O que são? Qual o modelo de escola que preconizam? Quem os desenha e com que orientações?

A senhora ministra diz que os novos Centros Escolares são excelentes. Mas eu vi, nas últimas semanas, Centros Escolares novinhos em folha, neste distrito de Viseu, em que ou todos os quadros foram substituídos por quadros interactivos, ou um ano depois da abertura, ainda não chegou a internet, ou com espaços interiores excelentes, mas praticamente sem espaços exteriores...

 

Era disto que eu gostava de ouvir a senhora ministra falar.

E já agora, se não fosse pedir muito, sobre o que será dos Programas de Formação Contínua...

publicado por Ricardo Antunes às 22:17

01
Jun 10

 

Já aqui vos mostrei esta apresentação.
Volto a ela.
Não é preciso palavras para descrever isto.
Basta ver e ouvir.
"Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara"
Livro dos conselhos
(Saramago)
publicado por Ricardo Antunes às 12:00

Maio 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
Contador
blogs SAPO